Bloguinho Infantil

Neste bloguinho vamos contar histórias, contos e escrever poesias.
E você também pode participar com textos, desenhos e versinhos.

Tem jogos, diversões, receitinhas fáceis e muito mais!


Clique na Alice com sua gatinha Dinah

Contato do Bloguinho

Calendário


Reloginho

Depende de você!

Mundo do Sítio do Pica-pau Amarelo

Mundo do Sítio do Pica-pau Amarelo
Mundo do Sítio do Pica-pau Amarelo (clique na Emília)

O Bloguinho nasceu em 9 de setembro de 2010

O Bloguinho nasceu em 9 de Setembro de 2010

Número de visitas que já recebeu:

contador de visitas
Pessoas online

Borboletas

Gatinho brincalhão

Curta Livro com Pezinhos no Facebook
Informe-se através do e-mail:livrocompezinhos@yahoo.com.br

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

A Árvore da Paz ( no dia da árvore )


Ivana Maria França de Negri

            Era um garotinho muito esperto e curioso. Certa vez, ouviu falar da iminência de uma guerra, depois do seu início, e em seguida, pôde sentir todo o seu poder de devastação.
Achou tudo aquilo horrível. Via através da televisão, milhares de meninos iguais a ele, passando fome, frio, feridos, mutilados, perdendo os pais, e tiravam deles os sonhos de um futuro feliz. E ele não entendia direito o porque dessa tal de guerra.
Um dia, ouviu uma pessoa importante dizendo num discurso que era necessário plantar sementes de paz. Gostou daquelas palavras. Então, existia uma árvore da paz? Por que todo mundo não plantava uma delas no seu jardim ou quintal? Todos os problemas estariam resolvidos. Era tão fácil ter paz, pensava o garoto.
Decidiu que haveria de plantar uma árvore da paz. Iniciou a procura pelas tais sementes. Só que não encontrava uma única pessoa que soubesse das sementes ou que tivesse visto uma árvore da paz. Ninguém vendia sementes de paz.  Alguns até sorriam diante de tanta ingenuidade, mas ele não desistia do sonho e continuava sua busca.
O avô do garoto era um homem sábio. A longa vida atribuíra-lhe, além dos cabelos de neve, experiência e poderes quase mágicos. Condoeu-se da inocência do neto, e para não desapontá-lo em sua determinação de plantar uma árvore da paz, presenteou-o com uma caixinha que continha uma semente dourada e redonda. O menino exultou de alegria. E seus olhinhos brilharam de felicidade. Tinha agora em seu poder a semente da paz!
Plantou-a com todo o carinho e aguava a terra todos os dias. Logo viu brotar o primeiro e frágil galhinho. Era de uma verde suave – cor da esperança – pensou. Em poucos meses, delicada ramagem vicejava e as folhas se multiplicavam. O avô via com bons olhos aquela dedicação toda e sabia que algo brotava, junto com a planta, no coração do seu menino.
 No ano seguinte, na árvore frondosa, surgiram as primeiras flores. Eram brancas, tal como imaginava seriam as flores da paz. Amava cada vez mais a sua árvore. Reunia os garotos do bairro, os amigos da escola, e verdadeira romaria vinha em sua modesta casa só para conhecer a árvore. O mundo podia estar em guerra, mas em sua casa havia paz...
Lia seus livros preferidos sob a sombra da árvore amiga, balançava até quase chegar às alturas no balanço que o avô pendurara nos galhos. Sentia o inebriante perfume das alvas flores, acompanhava o crescimento dos pássaros que construíam seus ninhos na copa alta e deliciava-se com seu canto e com o cicio das cigarras .
Via pequenas lagartas transformarem-se, como por milagre, em belíssimas e coloridas borboletas. Tudo isso recebia de presente da sua árvore da paz. Quando surgiram os primeiros frutos, doces e deliciosos, chamava os amigos para saborearem juntos e eles guardavam as douradas sementes e plantavam suas próprias árvores da paz. Quem bom! Agora multiplicavam-se as árvores da paz.
Quando o amado avô faleceu, foi sob a sombra acolhedora da árvore solidária que ele encontrou consolo e paz, pois foi ele quem lhe deu um dia aquela semente cor de ouro, e sentia que o avô, continuava ali, vivo. Quando o vento soprava entre a folhagem, era como se o avô assobiasse lindas canções em seu ouvido, e então, enchia-se de felicidade.

Adulto, compreendeu a metáfora que o poetavô lhe passara. Agora sabia onde encontrar a paz: no coração. E saberia como repassar isso ao filho e aos filhos do seu filho. Essa seria a sua herança, a mesma que recebera do avô naquele dia longínquo, perdido nas brumas da infância...

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Leve o Bloguinho para o seu site!

Marcadores

Administradoras do Bloguinho

Carmen Maria da Silva Fernandes Pilotto
Ivana Maria França de Negri



Minha lista de blogs e links legais

Brinque com o Totó

Alimente os peixinhos

Clique nos peixinhos

Alimente as Tartaruguinhas

Alimente o sapinho

Brinque com os pinguins

Hamster


Clique e estoure!

Migui adotado pela Mariana

Dê banho no Cascão

Espinho - cuide bem desse bichinho

Brinque com o cãozinho Bob

Esta é a Florzinha - Come cenouras e pula

Brinque com a gatinha Lolita

Amigo não se compra! Adote!